segunda-feira, 20 de maio de 2013

Razões contra a duplicação da Av. Edvaldo Pereira Paiva


Por Nazareth Agra Hassen

RAZÕES por que somos contra a DUPLICAÇÃO da Avenida Edvaldo Pereira Paiva.

1. O alegado congestionamento de tráfego não existe. Nem mesmo nas sextas-feiras à tardinha o trânsito para. Apenas se torna mais lento. Nessa ocasião, poderia ser feita a inversão de sentido de pistas (sem custo financeiro, ambiental e social)
2. É um absurdo que nosso dinheiro vá para uma obra desnecessária quando poderia ir para escolas, saúde e segurança.
3. A obra prejudicará a cidade ao criar no mínimo seis pistas separando a comunidade da Usina do Gasômetro, tornado as vias mais perigosas com a alta velocidade de automóveis.
4. Atravessar a pé a avenida será ainda mais penoso e difícil principalmente para todos e em especial para crianças, grávidas, idosos e pessoas com deficiência.
5. Em nenhum lugar do mundo se criam free-ways no seu centro histórico. Ao contrário, criam-se praças onde havia trânsito. 
6. A Prefeitura poderia investir nosso dinheiro em transporte público que diminuiria o número de carros individuais no Centro Histórico (é o que fazem as cidades que optaram por se humanizarem ).
7. Essa oposição à obra não é só de ambientalistas. Somos moradores e cidadãos de Porto Alegre, que vivemos a cidade e nos informamos sobre cidades mais humanas. 
8. As mais de cem árvores que querem cortar são necessárias para todos, pois são adultas, levaram décadas para chegarem a este ponto, fornecem sombra, mantêm flora adaptada, entre muitos outros benefícios. 
9. Se a Prefeitura tem capacidade para plantar mais milhares de árvores, por que não as planta independentemente de compensação?
10. No passado, foi a população que impediu que prefeituras anteriores derrubassem o Mercado Público (em nome do “progresso”) e também a implosão da Usina do Gasômetro para ali passar uma avenida. Então não somos do contra, talvez sejamos pessoas com alguma informação a mais do que as pessoas que se deixam iludir pela mídia. 
11. Também no passado a população abraçou o Guaíba não contra a avenida Beira-Rio, e sim para impedir os espigões e postos de gasolina projetados para toda a orla. 
12. A cidade fica mais feia quando tomada por grandes avenidas.
13. Mais asfalto = menos permeabilidade = mais alagamentos = mais desconforto térmico.
14. Queremos um desenvolvimento de cidade centrado no ser humano e não no lucro e na máquina.

41 comentários:

Arquiteto e Urbanista Ibirá Santos Lucas disse...

Bravo IAB/RS, ótimo ver a atitude decidida do IAB!
Sou favorável ao Paisagismo Sustentável trazendo a vida das pessoas para a percepção do ambiente natural. Nossa cidade perde muito mais do que 115 árvores, perde qualidade de vida.

Anônimo disse...

Parabéns pelo texto, conciso e elucidador. Eu apenas incluiria o interesse na Fórmula Indy como uma das causas dessa obra desnecessária.

Ernesto Figueiró

claudio resmini disse...

assino embaixo de todas as 14 razões.
parabéns IAB
cláudio Arquiteto

Anônimo disse...

IAB é burra.
Transporte público, mesmo que eficiente não é garantia nenhuma de diminuição no número dos automóveis em trânsito.
Ainda mais no Brasil, onde a mentalidade é atrasada... tão atrasada que reclamam do trânsito em PoA mas atravancam uma obra necessária para diminuir o problema.

Gente burra e atrasada!

Anônimo disse...

Tá na hora de crescer...a obra é necessária sim, pelo aumento pessoas que visitarão o centro com a revitalização do Porto...

Ane Brasil disse...

Muito obrigada pelo texto claro e conciso que resume muito do que penso a respeito de tal obra.
Sorte e saúde pra todos!

Anônimo disse...

Vim na maior boa vontade ler as razões para esse tipo de manifestação e só li bobagem. Os motivos listados sao facilmente rebatidos por ideias obvias. Sugiro aprimoramento!

Anônimo disse...

Eu compreendo quando quem defende as obras são as pessoas que vão lucrar (e muito) com elas. Mas não consigo deixar de achar que quem as defende sem interesses escusos não passa de beócios.

Anônimo disse...

Meu povo, morei em POA por 4 bons anos e gostaria de deixar minha opinião. Quantos anos vive uma dessas árvores citadas e quantos anos viverá porto alegre? Já pararam pra pensar quantas árvores serão plantadas por toda a via da nova Edvaldo P. Paiva? Não pensem no hj, ser sustentável é pensar no amanhã. Quanto as justificativas de que a Avenida segmentará a orla do bairro, por favor, deem argumentos mais racionais e parem de dar uma de Gugu Librelato, pois temos N exemplos de cidades do mundo com grandes Avenidas e excelente permeabilidade, bastam bons projetos, então lutem por eles e não fiquem simplesmente sendo do contra.

ocetico disse...

É verdade, caro Anônimo. Vamos pensar no amanhã: amanhã, com a duplicação pronta haverá um aumento imediato do número de carros em circulação devido a um efeito chamado demanda induzida. Um efeito comprovado por especialistas em mobilidade que acontece quando, ao se melhorar o fluxo de uma via com um alargamento, um maior número de pessoas decide tirar seus carros da garagem agora que "o trânsito está melhor", isso leva à criação de novos congestionamentos. Especialistas que vias duplicadas voltam a ficar saturadas de veículos em até quatro anos. Ou seja, essa obra trará benefícios por quatro, sendo bem generoso, dez anos. Uma árvore vive décadas, podendo viver séculos. E MAIS DO QUE AS ÁRVORES: espaços públicos de qualidade, áreas de lazer e uma cidade humana, podem durar para sempre.

Anônimo disse...

Excelentes colocações. Ler isso me deu fôlego pra começar melhor o dia e fazer a minha parte na tentativa de humanizar os desumanos...

Anônimo disse...

Não sou a favor da duplicação. O Ponto 9 é um dos argumentos que deveria ser na cara do Sr. Prefeito, bem como os demais representantes do Executivo. Porém o ponto 5 é meio falacioso, tendo em vista que uma pequena visita nos nossos vizinhos sulamericanos, veremos que não é bem assim essa afirmação.

Anônimo disse...

Tivessem os porto-alegrenses resistido à "modernização" que foi o término dos bondes, talvez ainda tivéssemos esse modal, tão apreciado em tantos lugares onde se valoriza a qualidade de vida,e não se vendeu a alma para a indústria do petróleo e automobilística. Que sigam os jovens de hoje na resistência a mais uma obra anacrônica que esconde outros interesses. Waldomiro Luz

Anônimo disse...

Que argumento mais pífio, sem sentido. Também gosto da natureza, mas deve haver bom senso, vão derrubar algumas árvores? Sim, mas vão plantar muitas outras. Esses falso ambientalistas coordenados por meia dúzia de radicais deveria se preocupar com o desmatamento da Amazônia já que querer defender a natureza. Preocupados com meia dúzia de árvores tem um nome, ranço político.

Anônimo disse...

vão trabalhar, bando de maconheiro vagabundo sem ter o que fazer.

Anônimo disse...

Ao Anônimo que não soube ler e seguiu achando que se trata só de "gostar da natureza", recomendo que leia os itens referentes à segregação da comunidade ribeirinha em relação ao seu rio e seu espaço de lazer e sociabilidade, que leia a parte sobre a impermeabilização do solo, que leia sobre cidades humanizadas que são as que não criam em lugares inadequados grandes avenidas. E que se informe mais sobre a fórmula indy, o coelho da cartola de Tarso e Fortunati.

Anônimo disse...

Incrível a diferença do nível de argumentos daqueles que sao contra esta obra inútil e daqueles que se mostram favoráveis, e preferem ofender as pessoas até porque não encontram o que argumentar diante das razões apresentadas aqui.

Anônimo disse...


Minha opiniao sobre a opiniao da iab, ponto por ponto:

1- Existe. Passo ali todos os dias. E um gargalo, e os onibus que vem pela faixa da direita, que e extinta, se jogam por cima dos carros. E o unico acesso a zona sul, e com o crescimento dessa, tende a piorar. O primeiro passo pra resolver qualquer problema e admitir a existencia dele.

2- Obras de mobilidade sao necesarias, como escolas, hospitais e seguranca. Uma coisa nao anula outra. Pagamos impostos para, em teoria, ter todos.

3- Passarelas e lombadas eletronicas resolvem isso sem problemas. Podem ate tornar mais seguro do que e hoje, visto que muita gente atravessa fora da faixa e da sinaleira, muitos sem a atencao necessaria para uma via de fluxo tao intenso. E uma questao de projeto.

4- Mesmo ponto do topico anterior.

5- Verdade. Mas, como eu disse antes, o nosso centro, que fica num canto, e e o usado como unico acesso a zona sul, cria um problema terrivel de fluxo. O ideial seria que as pessoas se deslocando da zona norte a zona sul o fizesssem por fora da cidade, e nao atraves dela. Eu pessoalmente sempre achei que deveria ter uma segunda ponte sobre o guaiba, ligando a BR-116 a zona sul, criando uma especie de radial.

6- Concordo plenamente. Qualquer cidade evoluida tem um sistema de transporte publico inteligente e integrado. Mas isso custa caro. As obras do metro com o tatuzao foram orcadas em 9 bilhoes, so pra linha 1. Sem o tatuzao, e com o stress de interditar vias, o custo e de 3 bilhoes. E mesmo que se faca todo um sistema novo, nao e da noite pro dia. Leva mais de decada. Precismos, alem dessa solucao ideal a longo prazo, uma a curto prazo.

7- Tambem sou cidadao da cidade e tambem me informo. Elas por elas.

8- Ninguem aqui e a favor de derrubar arvores. Infelizmente, a curto prazo e economicamente viavel, aparentemente nao ha outra opcao. Cabe aos cidadaos fiscalizarem o novo replantio, alem de plantarem suas proprias arvores. Pessoalmente eu gosto muto da ideia dos telhados verdes. E uma alternativa facil e interessante.

9- Concordo. A prefeitura deve plantar e incentivar o plantio de arvores. As pessoas, como dissemos aqui, nao precisam depender da prefeitura ou de obras pra plantar novas arvores.

10- E preciso saber escolher as batalhas. Nao e qualquer predio que deve ficar intocado. A prisao que ficava ao lado da usina foi demolida, dando lugar a esse espaco que as pessoas querem defender hoje. O porto, com aquele muro horroroso, que separa a cidade do rio, ate hoje ta abandonado porque as pessoas nao deixam nenhum projeto ir adiante. E preciso bom senso. Quanto a ter informacao a mais, e o argumento mais ridiculo do texto. So porque alguem dicorda do ponto de vista deles e porque nao e informado? Ou ta com eles ou e burro e manipulavel? Por favor, ne?

11- Idem ao anterior.

12- Ruas pequenas ou grandes, se feias e mal cuidadas, deixam a cidade feia. Se bonitas, deixam a cidade bonita. Eu particularmente acho Brasilia linda.

13- Alagamentos sao outra questao. Cidades completamente asfaltadas como Tokio resolveram muito bem o problema. Basta ter um bom projeto.

14- Tambem quero o desenvolvimento da cidade. Pra todos, nao pra um ou outro. Temos que ter bom senso. Ha sempre um meio termo. Fanatismo nao resolve nada.

Anônimo disse...

Adorei este último comentário item por item...

Outra coisa... Cadê esse pessoal que ama a cidade na hora de ir contra a construção de prédios altíssimos em ruas pequenas? Ou lá na Ipiranga, próx. Ao Guaíba? Isso tbém altera o conforto térmico. Isso tbém congestiona o trânsito, porque influencia diretamente no número de pessoas que se deslocarão até esses prédios.

Nosso plano diretor permite outras barbaridades, e não vejo manifestações contra ele...

Anônimo disse...

Quando alguém acha Brasília linda, faz sentido que comente todo o resto. Mesmo que Brasília fosse linda dentro de uma concepção arquitetônica e de um padrão de gosto (que deve ser respeitada) nas razões apontadas no texto em questão, o aspecto estético não estava mencionado é sim a humanização de uma cidade. Morei dez anos em Brasília, gostei de alguns aspectos, mas não dá para chamar de cidade humanizada. Tente ser pedestre, pobre, criança em Brasília e verá que não se vive a rua, não se vive a cidade. Quem pode fica restrito a sua quadra e se desloca no seu automóvel individual. Brasília é o protótipo de cidade que as pessoas que apostam nas razões do texto não desejam não desejam ver implantada em Porto Alegre. Achar que projetos resolvem a cisão entre as pessoas e os espaços públicos é mesmo pensar uma cidade em que eu me dou bem e os outros, com menos condições do que eu, se danem.

Nazareth Agra disse...

Caro Anônimo que respeitosamente se dispôs a debater ponto por ponto das Razões aqui apontadas e assim deu oportunidade de aperfeiçoá-las e com isso aperfeiçoar também o debate.
Respondo ponto por ponto aos pontos respondidos.
1. Um texto bastante explicativo e com apoio de um vídeo a respeito deste tópico pode ser visitado em http://vadebici.wordpress.com/2013/05/17/duplicacao-de-via-na-frente-do-gasometro-obra-necessaria/ . O vídeo foi feito num entardecer de sexta-feira e nesta sexta fizemos novo vídeo. Notem que os únicos momentos em que os carros param ocorre quando o sinal de pedestres abre-se para os mesmos. Ainda que houvesse congestionamento, a Prefeitura sequer testou a inversão temporária de sentido de pistas, dispositivo utilizado em várias cidades, inclusive Rio de Janeiro com grande sucesso. (Sabemos todos que esta obra está sendo feita visando trazer a Fórmula Indy para Porto Alegre e não visando problemas de tráfego, visto que não existem)
2. De fato, as rubricas orçamentárias não se misturam, mas é inevitável o sentimento de indignação de ver dinheiro canalizado para obras inúteis. Porto Alegre tem vivido várias situações de congestionamentos crônicos para os quais não têm sido pensadas soluções, a exemplo da Avenida Independência. Se é para aplicar em mobilidade, por que exatamente esta obra, quando há outras alternativas e mesmo outros projetos para a região? (talvez por que outros projetos não se prestem para a Fórmula Indy?)
3. Passarelas não são boas soluções para pedestres, passarelas complicam a vida do pedestre para facilitar a vida dos automóveis. Lombadas eletrônicas não resolvem o fato social que estamos enfocando. A região não é uma região de passagem, ali é um espaço de lazer, de um lado e do outro da Usina do Gasômetro. Seccionar ainda mais um espaço que deveria estar sendo integrado (como previsto na revisão do Plano Diretor sancionada em 2010 pelo atual prefeito) é mais do que descaracterizar a vocação daquele espaço, é um atentado contra os moradores e os demais porto-alegrenses que têm na Usina uma referência para os momentos de sociabilidade, cultura e lazer. Concordo que é uma questão de projeto, e o projeto deveria ser feito a partir do que consta no Plano Diretor.
4. Este item mereceria ser aprofundado, pois se no item 3 já apontávamos o prejuízo à pessoa comum, aqui enfoca-se o agravamento nos casos especiais. Recomendo sempre muito a leitura do livro Cidade das Crianças (Citá dei Bambini, Francesco Tonucci) no qual o autor apresenta um projeto de cidade que, ao tomar a criança como referência, erige um projeto de cidade boa para todos, sem exceção. Pensar a cidade boa para aquele que se desloca no automóvel particular não deixa de ser uma concepção de cidade, mas é justamente a concepção que combatemos com nossas opiniões.
5. Aqui concordamos e agrego seu argumento aos que já tinha.

Nazareth Agra disse...

continuação
6. Há como implementar formas de qualificar o transporte público de qualidade a curto prazo e estes já estão sendo feitos, por exemplo, as BRTs, as quais apoiamos. Recentemente fomos vítimas de mais um estelionato eleitoral quando se elegeu um prefeito que prometeu o projeto Portais da Cidade que foi abandonado depois da eleição. A inversão da terceira pista na frente da Usina, com exclusividade para ônibus e lotações seria uma medida a curtíssimo prazo, estimuladora do transporte público, sem custo social, ambiental e financeiro.
7. Quando você toma Brasília por referência, talvez você pense em uma cidade de certo modo funcional, com uma origem planejada, mas seu conceito de cidade humana definitivamente não combina com o nosso ou com o conceito de cidade humana tal como é debatida em várias referências (uma bastante respeitada costuma ser a do arquiteto Jan Gehl, Cities for People). Certamente você é cidadão e da melhor qualidade, mas tem se informado por outros caminhos que não os que levam às cidades mais humanas.
8. Não somos obtusos ao ponto de achar que árvore nenhuma em local nenhum deve ser cortada. Há muitas razões que justificam cortes de árvores, mas estas mais de cem árvores específicas ainda não tiveram seu corte justificado. O fato de serem exóticas ou de estarem sobre aterro ou de haver mitigação não é suficiente, pois estas árvores podem ser mantidas, são importantes para o nosso bairro e não há razão (fora a, mais uma vez, Fórmula Indy, ou ainda outros interesses como compromissos de campanha com construtoras, que duvida? Somos forçados a pensar isso diante de obra tão desnecessária. Sabemos que este governo é probo com uma exceção aqui e outra ali, a Polícia Federal que o diga, mas ele quase nos força a chegar a esta hipótese, a menos que outras surjam e expliquem) para que sejam cortadas. No mais, já convivi com muitos dos acampados em projetos de bicicletagem jardinária, quando saímos em grupo de bicicleta e plantamos árvores adequadas em espaços abandonados. Telhados verdes são excelentes opções, assim como jardins verticais e muitos de nós já os praticamos, além de fazermos compostagem em casas e apartamentos, coquetéis de sementes, etc.

Nazareth Agra disse...

9. Nós não dependemos e até tivemos enfrentamento quando esta Prefeitura através da SMOV vem tentando obrigar moradores a destruírem jardineiras em calçadas (mesmo quando sobra o espaço regulamentar mínimo para o passeio). Sim, acredite, amigo anônimo, mas esta vem sendo outra luta da cidadania contra o poder público em Porto Alegre.
10. Concordo muito. Nós escolhemos esta e outras batalhas após muito refletir. Lamentamos que no passado poucos ou ninguém tenha escolhido a defesa dos bondes, e comemoramos os que mantiveram o que restou no nosso patrimônio histórico e ambiental. Claro que há lutas equivocadas, ou falta de lutas, mas esta por várias razões não parece ser uma delas. No caso, pensamos que, diante das razões que estudamos e às quais nos dedicamos nas últimas semanas, a menos que a pessoa tenha algum interesse que não a defesa de uma cidade mais humana ou tenha outra concepção de cidade, não entendemos por que não apoiaria este movimento de resistência. Depois de derrubadas estas árvores, depois de passadas as pistas, será muito mais difícil voltarmos a ter nosso antigo espaço de convivência espontânea, natural, gratuita. Nosso bairro será definitivamente descaracterizado, sem probabilidade de volta.
11. Aquela luta foi histórica e muito bonita, merece ser sempre rememorada.
12. Por mais bem cuidada que seja uma avenida, uma cidade tomada de avenidas (bem ou mal cuidadas) dificilmente será bonita. De novo, pelo menos para quem tem como referência uma cidade humanizada.
13. Não basta ter um bom projeto, ele teria que ser bem executado, dimensionado e fiscalizado para não termos mais condutos forçados Alvaro Chaves. Seja como for, destruir o que se tem para gerar demanda por projetos (com seus custos) que compensem o que já existia não parece muito inteligente.
14. Concordo plenamente. No caso deste projeto, só há um segmento sendo privilegiado: o condutor do automóvel particular.

Anônimo disse...

E onde estah vc na hora de lutar contra qualquer coisa? Quais sao suas acoes diarias para melhorar nossa cidade? Liste-as, heroi.

Anônimo disse...

E, infelizmente, eh assim mesmo que pensam. Querem o fim dos congestionamentos porque moram na zona sul e se sentem kncomodados por eles, mas querem o fim do problema e continuam andando nos seus carros. Nao pensam em resolver seu problema E o dos outros, apenas o SEU. Poderiam fazer carros renderem mais organizando grupos de carina, poderiam andar de onibus, poderiam andar de bicicleta. Mas nao, qsuerem andar de carro sem congestionamento. Como? Alargando as vias pra eles passarem, ora pois. Vao a holanda e voltam maravilhados com a europa linda, com suas ciclovias, mas aqui estacionam em cima delas, nao andam de bicicleta. Nao podem andar de onibus porque demora, porque eh caro, porque nao tem linha, porque teriam de levantar muito cedo, porque tem filhos, porque moram longe da parada, mas nao mexem suas bundas podres pra ir nos protestos por um transporte publico e de qualidade. Querem que o governo resolva os problemas para eles, o que de fato, eh o que o governo faz, jah que eh desses que tiram os votos. E os outros? Ora, que se fodam, certamente sao todos vagabundos jah que nao trabalham em um escritorio das8h as 18h todos os dias, nao tem carro, querem ficar indo em protesto, bloqueando o transito dos cidadaos de bem, que saem de suad bais cansados apos um dia horrivel e soh querem ir pra casa ver seus filhos por 2 horas antes de dormir e enteregar eles pra alguem cuidar no dia seguinte e fazer tudo novamente.

André disse...

Respondendo às questões levantadas:
1- Não para, AINDA. Não precisamos esperar que pare para tomar as providências necessárias.
2- Antes desta obra, o nosso dinheiro não foi para escolas, saúde e segurança. Este discurso agora é oportunista e populista.
3- Coloquem-se pardais para o controle de velocidade,
4- Invista-se em educação e sinalização. Os pedestres tb tem que se educar para o trânsito.
5- Cite uma cidade onde isso aconteceu.
6- Concordo. Mas não vai acontecer.
7- Existem moradores e cidadãos que são a favor da obra.
8- Ok. Transportem-nas, então.
9- Concordo, Lembrando que PORTO ALEGRE É A CAPITAL MAIS ARBORIZADA DO Brasil.
10- No passado foi aterrado boa parte do Guaíba para a implantação do que hoje é o centro da cidade. É bem utilizado e muitos moradores tem orgulho do centro.
11- Também no passado, foram derrubadas árvores para a implantação do Parque Marinha do Brasil, como é parque pode ou só não pode porque tem a copa?
12- Praga (capital da República Tcheca) é tomada por grandes avenidas e é considerada a capital mais bonita do mundo.
13- Os alagamentos não acontecem por causa dos asfalto e sim porque a população não é educada e joga lixo nas ruas, que acabam por entupir os mecanismos de escoamento, como bueiros e bocas de lobo e isso independe da obra.
14- O desenvolvimento da cidadecentrado no ser humano passa por uma cidade adequada às necessidades dos cidadãos, com obras bem projetadas, com critérios que atendam à praticidade, funcionalidade e ao conforto da população. O IAB deveria estar ciente disto.

Henrique Hoetger disse...

Praga é bonita, APESAR das avenidas e não por causa delas. Não subestime as pessoas a este ponto. Praga desestimula o automóvel individual, sobretudo no seu centro, onde apenas os moradores podem estacionar, por exemplo. Praga estimula seus artistas de rua,tem vida participativa nas ruas e é admirada pelo seu patrimônio arquitetônico. É o fato de ser uma cidade medieval que a torna atrativa.

Eneida Soares disse...

Não vale a pena perder tempo com quem só sabe raciocinar com base em argumentos falaciosos. Vamos pegar apenas um, o 11 do André. É o chamado falso dilema, em que o falacioso apresenta duas opções como se fossem as únicas. Então,André, entenda: há um movimento contra uma obra desnecessária que vai contra os interesses da comunidade, obra que é apresentada para resolver um congestionamento que não existe, que na verdade é para instalar uma pista de corridas (fórmula Indy). Para resolver um congestionamento que vá existir no futuro, existem outras alternativas, como a inversão de sentido de pistas. Há situações em que árvores precisam ser derrubadas, mas não é o caso. Se ainda precisar, podemos desenhar.

George Eduardo de Magalhães disse...

Lamento informar ao bairrista de plantão, que Campo Grande do Mato Grosso do Sul, e Goiânia de Goiás são mais arborizadas do que Porto Alegre. Nem mesmo sei se Porto Alegre é a terceira. http://www.correiodoestado.com.br/noticias/campo-grande-ultrapassa-goiania-e-se-torna-a-capital-mais-ar_159970/

Reginaldo disse...

NO entendimento do André, "praticidade, funcionalidade e ao conforto da população", entenda-se por "população" o motorista de carro individual.

Reginaldo disse...

Ainda para o André, se "Antes desta obra, o nosso dinheiro não foi para escolas, saúde e segurança" nunca mais poderemos reivindicar que o sejam.

Anônimo disse...

Brasília só é bonita pelo Google Maps em visualização por satélite. Já viajei a trabalho para Brasília uma meia dúzia de vezes e odeio a mobilidade, odeio o aspecto de que ninguém é de lá. Como dizia o Renato Russo, que era de lá e entendia a m**** de lugar onde vivia, "Marcianos invadem a terra". A impressão que tenho é que em Brasília moram marcianos bem remunerados, mas infelizes por estarem longe de suas famílias e raízes culturais. Brasília é muito triste e estimula a depressão em massa.

A coisa que mais me marcou quando viajei à Itália foi a restrição ao tráfego de veículos nos centro históricos, inclusive fui multado por isso. Zona a traffico limitato no centro JÁ!

Anônimo disse...

1- Trânsito lento já é um bom motivo, ainda mais quando uma avenida auxiliar vai receber corredor de ônibus

2- Não é desnecessária

3- Sinaleiras, controladores de velocidade ou até passarelas estão aí pra isso

4- Mesma resposta do 3

5- E? Falácia do argumentum ad populum

6- Esse é um dos motivos para o qual a avenida vai ser duplicada

7- Legal, e outros moradores precisam das obras. Um grupinho ter algumas árvores adultas a menos pra usar por algum tempo não é motivo para prejudicar boa parte da população

8- Necessárias para todos? Alguém humano vai morrer por cortarem as árvores?

9- Cobrem isso então, mas não misturem assuntos diferentes

10- Ui, tão fodões que misturam assuntos diferentes

11- Os tais espigões não seriam na orla, seriam perto da orla, e os empreendimentos previam recuperação da parte da orla em que se localizavam, o que beneficiaria os empreendedores e a população. Aqui eu poderia usar a mesma falácia de "no mundo todo é assim", mas prefiro usar argumentos válidos

12- Ah, uma opinião estética pessoal é muito mais importante do que o bem estar de milhares de pessoas

13- Existem inúmeras formas de compensar esse tipo de coisa. É pra isso que existe uma área do conhecimento conhecida como urbanismo. Poderiam mostrar algo que comprovasse que isso não pode ser minimizado ou evitado?

14- AHSUUASHASHUHASUAHUSHASUAHSUUASHUASHUASHUHASUASHUASHUAHSHASUHUASHASUUASHUHASUHASUHASUHASUHASUHAS

accurso disse...

Pq vocês "anônimos" não se identificam e debatem abertamente?

Soyara Lunardeli disse...

Talvez Aacurso porque o Anônimo seja CC da Prefeitura.

Diane Porto disse...

Excelente postagem do IAB!! Pena que não foi ou não é amplamente divulgada.

Aline Cruz Passuello disse...

Estou tão triste com a surpresa que tive ao ler os comentários que está até difícil escrever. Mas preciso falar que nunca imaginei ler algumas palavras de baixo nível que estão nos textos acima. Que tipo de educação essas pessoas tem que não conseguem debater um assunto com pessoas que divergem dos seus interesses sem ofende-las com injustiças? Acredito estar aí a resposta de porque o IAB defende a cidade mais humana e os outros a cidade que previlegia os carros. Hoje Porto Alegre tem poucosespaços de convivência e esta obra vai destruir com o entorno de um deles. Eu sou aquela pessoa que preza muito a convivência com outras pessoas, mas vejo que cada vez mais as pessoas não querem isso. Preferem se isolar em seus mundinhos e só defender o que lhes agrada. Se esta obra está causando tanto desilução para tantas pessoas e ela é uma obra desnecessária, pq fazer? Na verdade nós já sabemos a resposta e não é esses argumentos dessas pessoas revoltadas com a postura do IAB e sim os interesses políticos que tem ligação direta com esses tipos de pensamentos equivocados sobre uma cidade melhor para todos!
Parabéns ao IAB!!!!! Vocês são verdadeiros arquitetos, pois além de tudo lutam por mais humanidade na cidade!
Arq. Aline Cruz Passuello

Arthur disse...

RAZÕES PARA NÃO PROTESTAR CONTRA A DUPLICAÇÃO DA AV. EDVALDO PEREIRA PAIVA:

1. Daqui a alguns anos já haveria congestionamento.

2. Uma obra que ajudará o trânsito. O trânsito que dependemos para levarmos nossos filhos à escola, irmos à faculdade, ao trabalho, ao médico. Um trânsito melhor = pessoas menos irritadas = mais qualidade de vida e satisfação = sociedade mais feliz.

3. É por isso que inventaram sinaleiras, faixas de segurança e passarelas...

4. Obras para um melhor desenvolvimento no trânsito sempre ajudam. Sem congestionamentos podemos aproveitar mais com os nossos filhos/família/lazeres; quando a bolsa rompe, a grávida chega a tempo no hospital; se um idoso precisar de um atendimento urgente é bom que a ambulância não fique presa no trânsito; e pessoas com deficiência de locomoção, por exemplo, poderão utilizar a Avenida Edvaldo Pereira Paiva, que terá um calçamento decente.

5. Nem em Porto Alegre criarão freeway em centro histórico.

6. Concordo. Poderia também diminuir o valor da passagem para valer a pena pegar um ônibus ao invés do carro.

7. Eu quero uma cidade mais evoluída, mais rica, com um trânsito bom, que flua sem congestionamentos, com pessoas menos irritadas ao volante. Eu quero que quando alguém precise de ambulância, esta não fique presa no trânsito sem tempo de socorrer.

8. Estas mais de 100 árvores não farão falta a ninguém. Há mais milhares de árvores logo ali do lado... no Marinha. E no plano diretor do projeto consta que irão criar uma praça com 400 árvores. Portanto, mais uma vez, não tem porque protestar.

9. Concordo, mas não é este o motivo do protesto.

10. Essas mesmas pessoas que estão protestando, no final de semana estão no Iguatemi ou no Barra, comendo McDonalds, se divertindo, consumindo, no cinema... Vocês não protestaram contra a criação destes shoppings? Quanta árvore foi retirada... Já virou modinha protestar por qualquer coisa.

11. E em 1992 os caras-pintadas protestaram contra o presidente do Brasil, Fernando Collor e sua corrupção.

12. Paris é linda com a Avenida des Champs Elysées.

13. Ok... todas as avenidas a partir de agora serão de chão batido?

14. Dependemos do lucro e da máquina para o desenvolvimento da cidade e da população. Dependemos também de um bom trânsito para levarmos as crianças à escola, irmos ao trabalho, ao médico. As vidas das pessoas, muitas vezes, dependem de um atendimento rápido de ambulâncias também. Um trânsito melhor = menos congestionamentos = pessoas menos irritadas = mais qualidade de vida e satisfação = sociedade mais feliz = desenvolvimento de cidade centrado no ser humano.

Helio Siqueira- arquiteto disse...

É impossível debater com este Arthur porque ele rebate com senso comum que é justamente o que foi apresentado nas Razões apresentadas no blog. Ele só voltou ao ponto inicial e é certamente alguém do governo Fortunati, pois não parece ser alguém pensante. Melhor, ou é um não pensante ou tem intere$$e$ iguais aos do governo Fortunati. Não respondam que é troll. Se não for troll, é tão senso comum que nunca sairá desse patamar. Mais provável:trolllllll.

Daniel disse...


Gostaria de saber , do pessoal a favor da duplicação, o que pensam sobre a questão do tráfego induzido que já foi apresentada algumas vezes, mas que acaba nunca sendo discutida.
http://vadebici.wordpress.com/2013/02/16/por-que-a-construcao-de-mais-ruas-nao-alivia-os-congestionamentos/

Tatiana disse...

Gente... eu nem no país moro mais, mas estou totalmente apavorada. Estava aqui, querendo saber as novidades sobre a nossa classe em POA... que revolta eu sinto lendo textos onde o discurso é puramente esquerdista. Gente, o IAB não deveria ser espaço pra propagandear bandeira política, e sim para tratar de PROJETO, APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL, LUTA PELA REMUNERAÇÃO PREVISTA EM LEI PARA OS ARQUITETOS BRASILEIROS...

Mas o que eu vejo não é interesse por uma cidade mais humana. Cidade mais humana se faz com bons projetos arquitetônicos e urbanísticos. Não dá pra negar o fato de que o Brasil é um país em desenvolvimento, onde as pessoas são incentivadas a comprar carro. A zona sul de Porto Alegre está em desenvolvimento, com projetos classe média(lá perto da Hípica) e de altíssimo nível, RESIDENCIAIS. O investimento em transporte público ainda não chegou no Brasil, vamos falar a verdade. Fingir que novas vias não são necessárias não vai resolver o problema. Nós todos aqui temos plenas condições de criar projetos que vão compatibilizar a necessidade de cidade humana com a necessidade de mobilidade. Não é possível que vamos ficar com este discurso e dar um tiro no nosso próprio pé... pensar que o melhor é deixar as coisas como estão pra mim é atestado de incompetência, precisamos de planejamento! Grandes avenidas x cidade humana, pelo amor de deus... não precisamos ir muito longe, Buenos Aires tem avenidas maravilhosamente charmosas... não existem recursos para passagens subterrâneas? Acho que falta repertório e flexibilidade, não sei...

Eu detesto quando as pessoas não conseguem argumentar sem desqualificar o outro... imagina, uma classe de arquitetos que não consegue argumentar sem chamar o outro de burro, ignorante, troll...

E só pra esclarecer, não, eu nunca fui funcionária pública e não gostaria de precisar ser, não tenho nenhum negócio na cidade, nem parente "capitalista" (ou rico como vcs gostam tanto de dizer)... Eu só tento usar o conhecimento que adquiri na nossa querida FAU-UFRGS, com a mente aberta e pensante... E adoraria ver uma entidade unida, defendendo ARQUITETURA!